Ir direto para menu de acessibilidade.
Você está aqui: Página inicial > Todas as notícias > Notícias Principais > Evento do programa Enegrecendo abordou Afroempreendedorismo
Início do conteúdo da página

Evento do programa Enegrecendo abordou Afroempreendedorismo

Publicado: Terça, 04 de Setembro de 2018, 10h49 | Última atualização em Quarta, 05 de Setembro de 2018, 16h02 | Acessos: 1061

Promovido pelo programa de extensão Enegrecendo, aconteceu na noite de 03/9 no IFRS - Campus Porto Alegre o evento Afroempreendedorismo, que trouxe como palestrantes quatro mulheres empreendedoras que atuam em diferentes áreas para compartilhar suas experiências com o público do IFRS: Kyzzy Barcelos Rodrigues, Izis Abreu, Luciana Rabello e Cláudia Campos. A atividade foi realizada no auditório Rui Cruse. 

De acordo com a coordenadora do programa Enegrecendo, professora Renata Severo, o evento foi um sucesso. As palestrantes apresentaram seus empreendimentos, abordando aspectos diversos: ferramentas que utilizam para trabalhar, processo de criação de marca, desenvolvimento de produto, marketing, criação etc. Também abordaram a importância dos coletivos e redes de apoio para quem está empreendendo.

Outro aspecto ressaltado foi o papel do empreendedorismo na história da população afro-brasileira, principalmente das mulheres, que sempre estiveram à frente de negócios familiares e individuais. Neste ponto, as palestrantes apontaram a importância do conhecimento técnico e do empoderamento para que esse papel de empreendedora seja reconhecido social e economicamente. 

Na oportunidade, estudantes presentes aproveitaram para fazer perguntas às palestrantes, focando principalmente em aspectos legais, éticos e práticos da criação de um empreendimento.

Conforme as organizadoras, a ação teve como pretensão demonstrar que é possível fazer um empreendedorismo de união e compreensão, e que o empreendedorismo negro é um dos que mais crescem em meio à sociedade consumista e contempla arte, religião, música, dança, culinária, vestimentas e estética relacionadas ao povo negro.

A atividade contou com o apoio do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (NEABI) e do Programa Permanente de Ensino de Línguas e Literatura (PROPEL), ambos do Campus Porto Alegre.

Confira alguns registros:

  

 

 

(Créditos: Assessoria de Comunicação IFRS-POA e Programa Enegrecendo)

 

 

Fim do conteúdo da página